segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Como escrever uma tese

Uma tese é uma tese, disse o Mário Prata num texto imperdível e já publicado por aqui. Mas quem vive a coisa na pele, sabe que o processo é um mergulho nas profundezas do ser. É o(a) sujeito(a) com ele(a) mesmo(a) e em processos de dar inveja ao melhor analista. Não há como escamotear os próprios boicotes, nem fugir dos próprios limites. É o espelho em todas as paredes da sala te apontando de todos os lados. E sim, há de encarar o touro de frente, como manda o manual do(a) gaúcho(a) macho(a).


O processo de tese tem do prazer ao horror. Escrever uma tese requer disciplina, disciplina, disciplina, persistência e paciência! Criatividade é coisa para os poucos geniais. Do prazer da descoberta e do texto aos prazos de término, a gente quer mesmo é terminar a dita cuja com um mínimo de decência e prospecção. O que vier depois é lucro - é vida pós-tese. Por enquanto, é um estado alterado de existência...e de humor, na sequência! A gente vira ogra, vida social vai para as cucuias e os amigos custam a entender porque, afinal, a criatura desapareceu! Restam os solidários porque já passaram pelo processo e aqueles que nos amam tanto que relevam o sumiço. Mas outros não entendem não... 
Também é o período da maior organização. O sujeito vira um primor da eficiência e da ordem - tudo para não trabalhar na tese. (Estou um brinco de pérolas nesse quisito!!!)
Na real é um processo muito solitário, embora nos cerquemos de gentes em processo e em ajuda. É como um parto - toda a assistência conduz o nascimento, mas o esforço de expulsão é único e teu. (Claro que a cesariana deve ser como pagar alguém para escrever por você. Não rola!)
Agora lá fora a chuva convida a instrospecção e diminui o calor infernal do verão nessas paragens. Depois eu conto mais. Volto para as textualidades e reflexões.

Marcadores:

4 Comentários:

Blogger Paula Bolzan disse...

Ah, Rosana.. vai dar tudo certo!! Sigo aqui, no plantão virtual e eventualmente ao vivo!! Bjos

7.1.13  
Blogger Dna. Bona disse...

Ah, mulher, como, e como te entendo... Eu gargalhei alto aqui quando li a parte do organizar-se mil vezes... Bah, como é doído esse estar conosco tendo que espremer o cérebro, as juntas e mudar o joelho de posição porque adormeceu. Eu ainda não cheguei no momento do prazer. Talvez depois de expulsar o feto. Só pode. Força na peruca, nega. Uma hora a gente vai ter que sair disso. Beijaaaa

7.1.13  
Blogger tássia disse...

Olhe, vou contar uma coisa prá vocês: não sou capaz de escrever uma tese.
Falta-me disciplina, habilidade e, pra completar sou muito lenta. Não entendo nada de abnt, não sei fazer nota de rodapé... então, difícil.

Tenho profunda admiração por quem encara e realiza. Sei que a tese tá castigando a Pró, mas ela vai chegar lá. O mesmo com Dna. Bona.

Vou mandar um pacote de avoador pra casa dela, pra ela ir se distraindo, no momento em que a 'coisa' empaca.

"O que ela quer da gente é coragem", Guimarães Rosa.

8.1.13  
Anonymous Rosana Zucolo disse...

Meninas, brigadim pelo apoio. Meu coração agradece, profundamente comovido. E me sinto autorizada a continuar as lamurias.rsrs besos

8.1.13  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial












A chic é Rosana
Não usa pretinho
pra não dar pinta





Denis
coluna tranqüila
e coração ereto






Tássia
pin up e lambe-lambe
Lambe cria






Dorotéia
só escreve em italic







Paula Bolzan






Nívea Bona
Marca compasso
Vem pro abraço






Marina Victal
Mineira apresenta armas
Espada em punho








Melhores de 2008
Em 2009 eu vou...
Melhores de 2009
Em 2010 eu vou...
Melhores de 2010
Em 2011 eu vou...
Melhores de 2011
Em 2012 eu vou...
Melhores de 2012
Em 2013 eu vou...
Enviado Divino
Meu Primeiro Professor









    I Clichê


    II Clichê


    III Clichê


    IV Clichê


    V Clichê


    VI Clichê




      Assinar
      Postagens [Atom]