quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Rejeitando a normose

Ontem era para ser um dia qualquer. Não, na verdade nenhum dia é igual ao outro e, se colocarmos significado em tudo, veremos a especificidade de cada momento.

Mas era para ser um dia sob o status da normalidade. Tudo correndo de maneira adequada, prevista, comum.

Até o momento em que cheguei em casa, as 23h, depois de uma maratona com o Bóris, estava tudo bem. Bóris é o cão achado que estamos cuidando de maneira comunitária – sim, temos amigos fantásticos ajudando – até que ele encontre uma família digna dele.

Bem, em casa nos dividimos nos afazeres. O marido precisava preparar uma aula a ser dada cedinho, eu e filho discutimos dividindo os outros afazeres.

Eu: - Você prefere levar a Pandora (a cã) para fazer o xixi ou recolher o carro na garagem?
Filho – o carro, claro.

Descemos os três: ele, Pandora e eu. Eu atravessei a rua e fui para a grama do vizinho - que é sempre bem mais verde, inclusive para os dogs – e esperei ali a cã reconhecer os cheiros. Nisso, um homem resolve atravessar a rua e, em todo o seu trajeto falava algo sobre a cã que estava passeando. Até então não tinha dado bola, porque acostumei com gente falando sobre cã. O homem não parou de falar andando em minha direção. Ele estava entre eu e minha casa. E, em determinado momento, pude ouvir:
- te pegava todinha e dava um jeito de te fazer...

O desespero bateu. E a primeira coisa que fiz foi pensar que meu filho estava ali, a alguns metros, na garagem. Que ele era homem. Que ele era alto. Gritei.

- Diogo!!! Tem um moço aqui querendo falar com você.

A cara de desespero do homem, que continuou andando descendo a rua sem passar por mim, foi nítida. Havia um macho no local.

Meu filho veio calmamente atravessando a rua. O homem apertou o passo e desceu para cuidar dos carros. Eu me expliquei, me sentindo muito impotente.
- Desculpa, Di, mas ele estava falando besteiras.
- Eu ouvi.

Ele me acompanhou em todo o trajeto com a cã. E conversamos.
- Você consegue entender o quanto isso é ridículo? Eu ter medo de enfrentar um homem desses, colocá-lo no lugar dele? A primeira coisa que pensei foi em correr para casa, mas ele estava entre eu e a casa. Por que temos que sempre ter medo?
- É mãe, não é fácil para vocês, eu sei. Eu vejo isso todos os dias. Minha amiga do trabalho poderia fazer o mesmo trajeto que eu faço todos os dias, no mesmo horário que eu. Ir caminhando para casa. Mas ela não faz quando escurece. Porque é mulher, porque tem o computador com ela, porque...  

- A gente precisa mudar isso.
-É, precisa.


Não, isso não é normal. Não é.

2 Comentários:

Blogger Rosana Zucolo disse...

Que merda isso! Meu filho faz aulas de defesa pessoal. Começo a pensar seriamente nisso!

21.10.15  
Blogger Dna. Bona disse...

Mais do que isso, Ro, é preciso começar a sensibilizar a comunidade para se proteger. Para um ajudar o outro. Acho que essa é uma forma interessante de nos imunizarmos dessa violência. E, claro, educar melhor os meninos.

22.10.15  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial












A chic é Rosana
Não usa pretinho
pra não dar pinta





Denis
coluna tranqüila
e coração ereto






Tássia
pin up e lambe-lambe
Lambe cria






Dorotéia
só escreve em italic







Paula Bolzan






Nívea Bona
Marca compasso
Vem pro abraço






Marina Victal
Mineira apresenta armas
Espada em punho








Melhores de 2008
Em 2009 eu vou...
Melhores de 2009
Em 2010 eu vou...
Melhores de 2010
Em 2011 eu vou...
Melhores de 2011
Em 2012 eu vou...
Melhores de 2012
Em 2013 eu vou...
Enviado Divino
Meu Primeiro Professor









    I Clichê


    II Clichê


    III Clichê


    IV Clichê


    V Clichê


    VI Clichê




      Assinar
      Postagens [Atom]