segunda-feira, 15 de julho de 2013

Desgraceira de vida

Semana passada meu filho me liga perguntando o que ele devia fazer. Ele tinha ido comer cachorro quente com a namorada e enquanto esperava, um rapaz usuário de drogas se aproximou pedindo dinheiro.

Noite fria de Curitiba. O moço estava de manga curta e explicou que tinha acabado de "cheirar" o moleton mas queria ir para casa, em Colombo. Ele preferiu levar a namorada para casa mas ficou extremamente tentado a voltar e dar algum para o rapaz.

Me ligou e eu disse que talvez fosse melhor não dar. Do pouco que sei pelo que passamos em casa com o meu irmão, tenho uma ideia do quanto um ser humano sob efeito do vício pode ser capaz de interpretar.
Meu filho chega em casa em frangalhos. Chorando como criança. Perguntei o que tinha acontecido.

-Não sei como ajudar... Não sei o que deveria fazer...

E soluçava.

O meu filho se encontrou com o sentimento de impotência de milhares de pais que passam por esse inferno que são as drogas. Milhares de amigos que simplesmente não sabem o que fazer enquanto, em nome do livre-arbítrio, veem seus amados e próximos enfiarem suas vidas em um mundo de desgraça.

Disse a ele que talvez pudéssemos ligar para o meu irmão e colocar o moço na casa de recuperação.
O filho responde:
-ele já foi internado 3 vezes, mãe.

Só consegui abraçá-lo. Não tinha mais o que fazer, a não ser pensarmos em como somos pequenos perto de tanta desgraça por aí.

Dois dias depois o namorado resolve me buscar no ponto do ônibus. Gringo, nem um pouco acostumado às surpresas humanas da América do Sul, me avisa:

- tem um cara deitado do lado daquele carro ali. Não sei se ele quer assaltar, se quer esperar as pessoas do carro, ou se está passando mal. Não sei o que fazer.

Era noite. Noite fria de novo. Passando pelo homem dou uma olhada. Identifico que o senhor está muito bêbado. Mas está levantando. Com dificuldade, levanta. Liguei para a polícia para saber o número da Fundação de Ação Social da cidade. Quando ligo para o outro número vejo pela janela da minha casa que ele se foi. E fico pensando: quem viria? Se eu dissesse que é um João ninguém bêbado, quem viria?

Acabo de receber um sms do meu filho.

- Qual é a chance, mãe, em 2 milhões de pessoas, de eu encontrar aquele mesmo cara, passando noiado por mim na rua, em um outro ponto da cidade?


2 Comentários:

Blogger Greg Mason Burns disse...

o final: uau!

15.7.13  
Blogger Rosana Zucolo disse...

Difícil mesmo...a sensação de impotência é algo miserável...

18.7.13  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial












A chic é Rosana
Não usa pretinho
pra não dar pinta





Denis
coluna tranqüila
e coração ereto






Tássia
pin up e lambe-lambe
Lambe cria






Dorotéia
só escreve em italic







Paula Bolzan






Nívea Bona
Marca compasso
Vem pro abraço






Marina Victal
Mineira apresenta armas
Espada em punho








Melhores de 2008
Em 2009 eu vou...
Melhores de 2009
Em 2010 eu vou...
Melhores de 2010
Em 2011 eu vou...
Melhores de 2011
Em 2012 eu vou...
Melhores de 2012
Em 2013 eu vou...
Enviado Divino
Meu Primeiro Professor









    I Clichê


    II Clichê


    III Clichê


    IV Clichê


    V Clichê


    VI Clichê




      Assinar
      Postagens [Atom]