quinta-feira, 16 de julho de 2009

Tempo...tempo...

Sou de um tempo em que o leiteiro vinha de charrete trazer o leite na porta da casa. O leite, em garrafinhas de vidro transparente, era deixado junto às portas ou vinha nos imensos tarros dos quais era transferido às nossas leiteiras. Saía dali direto para a fogão, ferver. Ninguém se preocupava com a qualidade ou se haviam adicionado água e similares. Aliás, penso que nem se cogitava a hipótese de tal. O crivo da higiene era a análise do estado do caneco de alumínio que o servia. Sou também de um tempo em que os carros estacionados, as portas das casas e os portões ficavam despreocupadamente abertos, e as janelas não possuíam grades. Câmeras de vigilância? Coisas que nem na ficção do cinema existiam. No meu tempo, a maioria das ruas eram de chão batido onde se jogava bola e brincava de pega-pega. A bergamota era apanhada e devorada diretamente no pé e os seus galhos sustentavam a molecada gulosa. No meu tempo, o livro era precioso e a gente lia o que caia na mão. Nesse meu tempo, a gente pedia benção aos mais velhos da casa antes de dormir, como se a proteção deles significasse uma vigília para que o nosso sono fosse tranquilo. E ao levantar, o café da manhã tinha leite, pão de casa, manteiga e geléia ou mel. E o mel? A gente buscava na casa do vizinho, o seo Donato, que os tirava das colméias e guardava em grandes panelas de cobre. Os olhos não cansavam de admirar a fusão das cores e texturas do líquido espesso que escorria lenta e aderentemente às conchas também de cobre usadas para servi-lo em vidros a serem pesados nas balanças! (será por isso que adoro as tonalidades do amarelo???) Sempre havia um pedacinho do favo como brinde, o que fazia com que ninguém reclamasse da tarefa de ir buscá-lo. Sou do tempo em que almoço reunia a família em torno da mesa, seguida da "séstia" obrigatória. Sou do tempo em que a roupa feminina era feita pela costureira, o alfaiate se encarregava das masculinas e a família tinha a "sua" costureira preferida. Ah...costureira era o popular , os ricos tinham a sua modista. Televisão eu fui conhecer aos 9 anos e o rádio, ah! Esse me levava de São Paulo, ao Rio de Janeiro, a Montevidéo, a Buenos Aires e a Londres com a BBC em apenas uma girada no dial pelas ondas curtas. E agora... olha eu aqui, virtual, correndo o planeta num tc. O mundo mudou e este meu tempo que ficou para trás como traço de memória obsoleta do ponto de vista tecnológico, só faz sentido para a minha geração e as anteriores, parte da história. E nem se passou tanto tempo assim...

Marcadores:

12 Comentários:

Blogger Dorotéia disse...

Ô Amélia, juro que no gif esse pendulo balançava!!! Mas óh, não consegui fazer de novo não!

17.7.09  
Anonymous Amélia disse...

Pronto Dô. Agora balança...

17.7.09  
Blogger Dorotéia disse...

Amélia, você é ótima!!! Depois me ensine como faz. E diga a sua patroa que tô com saudade!

17.7.09  
Blogger Aline Virtus disse...

Dorotéia, nem me fale. Estou atrás de pessoas que plantam por subsistência ou hobby algumas frutas no quintal, acredita? :D Está difícil fugir do veneno nas alimentos!

E quanto ao seu texto, não vivenciei todas as etapas, mas a parte do leite lembro bem, pois era menina e morava no interior (na rua de terra batida) e tinha que levar correndo a 'vasilha do leite' para o moço encher pra gente tomar café de noite e de manhã. De vez em quando eu tomava conta da panela esperando o leite ferver.

Tinha também a 'vasilha do refrigerante', que eu tinha que levar na vendinha pro seu Zé encher pro almoço, mas só no domingo. :P

Recordar é viver. Duvido que naquele tempo a fruta passasse do verdo para o podre! Duvido! :) Bjs

18.7.09  
Blogger Dorotéia disse...

Passava não, Aline! Passava não! bjs

18.7.09  
Blogger tássia disse...

Eu sou do tempo do Atari, do Pogobol, do Mini Chiclets Adams e do Cigarrinho de chocolate Pan. Sou do tempo da turma da Xuxa - do Dengue e do Praga :)

Vou ser sincera, não curto muito os anos 80. Foi aí que começou a bagaceira. E ainda teve o Grande Irmão...tsc..tsc

19.7.09  
Blogger Aldema disse...

O meu " sou do tempo..." é muito longo! Tão longo que esqueci de muitas coisas. Como se chamava mesmo aquele tafetá do vestido da minha primeira comunhão????

23.7.09  
Blogger Dorotéia disse...

Seria o ORGANDI???

23.7.09  
Blogger denis rivera disse...

Ô Fófi ...que organdi o quê! Não viu que era um tipo de tafetá? TÔ quase apostando no tafetá "chamalote"... É do teu tempo?

23.7.09  
Blogger Dorotéia disse...

Do meu não...só a primeira comunhão! rsrs

23.7.09  
Blogger Aldema disse...

Obrigada,Denis. É "chamalote"mesmo.Mas aposto que a Dorotéia usou saia plissê e conjuntinho de ban-lon.

23.7.09  
Blogger Dorotéia disse...

Usei sim, pq? E conga, e lencinho no pescoço, e calça lee... e ainda tinha um tal de kichute que era um grande produtor de chulé!!!

24.7.09  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial












A chic é Rosana
Não usa pretinho
pra não dar pinta





Denis
coluna tranqüila
e coração ereto






Tássia
pin up e lambe-lambe
Lambe cria






Dorotéia
só escreve em italic







Paula Bolzan






Nívea Bona
Marca compasso
Vem pro abraço






Marina Victal
Mineira apresenta armas
Espada em punho








Melhores de 2008
Em 2009 eu vou...
Melhores de 2009
Em 2010 eu vou...
Melhores de 2010
Em 2011 eu vou...
Melhores de 2011
Em 2012 eu vou...
Melhores de 2012
Em 2013 eu vou...
Enviado Divino
Meu Primeiro Professor









    I Clichê


    II Clichê


    III Clichê


    IV Clichê


    V Clichê


    VI Clichê




      Assinar
      Postagens [Atom]