terça-feira, 2 de junho de 2009

Pelas bandas do Uruguai (II)

dedicada a Seo Ari
Igreja ao lado de Punta Carretas Punta Carretas: a prisão que virou um moderno shopping center
Querida Montevideo.
Charmosa, antiga, recente, moderna e limpa. Organizada. Segura. Educada. Acessível. Saborosa. Doce, carnívora. Ilustre, agradável. Forte. Imponente. Bela. Hispânica. Amável. E acima de tudo gentil. São muitos os adjetivos capazes de traduzir a sede administrativa do Mercosul. Mas, sem dúvida, o que mais chama atenção é a amabilidade, gentileza e educação das pessoas de lá. Pessoas de español manso e pausado, capazes de atender com um leve sorriso qualquer solicitação de ajuda.
Cruzamento calle Mercedez com Paraguay, Centro
Gentil Montevideo.
Cidade onde os carros priorizam os pedestres, mesmo onde não há semáforo. Na porta do Teatro Solis, depois de ter assistido o musical Micción, observávamos maravilhados o imponente prédio colonial. Os únicos em pé na calçada. Passava das 22h30. E mesmo de costas pra rua, ao virar o rosto me dei conta de que três ônibus e dois carros aguardavam parados a nossa travessia. "Pararam pra gente atravessar", comentamos surpreendidos.
Carrasco, um convidativo bairro residencial próximo a rambla
Tranqüila Mondetevideo. Cidade de vias largas com ruas cercadas de plátanos e perfeitamente pavimentadas com resistentes e eficazes placas de concreto. Não se vê um buraco, um papel voando, um amontado de lixo, um odorzinho desagradável. No chão, apenas as folhas secas do outono compondo com o frio uma bela paisagem. E o mais curioso: também não se vê lixeiras ou papeleiras. Mais um sinal da refinada educação. Montevideo é limpa porque é educada. E é tranqüila porque é organizada. Cidade de trânsito intenso, porém suave: praticamente não se ouve uma buzina, embora tenha bastante carro nas ruas - e carros de todos os tipos: novos e antigos (cada raridade!). Não se faz seguro de veículos. Tampouco os carros têm trava elétrica, GPS ou qualquer outro kit paranóia socorro-vou-ser-assaltado. Não! Em Montevideo não vou ser assaltado. Pelo contrário. Nas garagens, os motoristas deixam as chaves no painel do carro. E nós, que chegamos de fora, não nos preocupamos ao deixar o nosso carro (sem seguro) toda noite na rua, na porta do hotel. Inesquecível Montevideo. Não é a toa que leva o título de cidade da América Latina com melhor qualidade de vida. Uma das 30 cidades mais seguras do mundo. A gente quer voltar logo. E de preferência, para morar.

Marcadores:

4 Comentários:

Blogger Ari disse...

Ah!... se é assim, também quero fixar residência.

2.6.09  
Blogger Lucas disse...

e passar as férias na Punta del Diablo

:)

2.6.09  
Blogger tássia disse...

Simmmmm, Lucas!
Ou então em Colonia del Sacramento (tema do próximo post).

Bora Seo Ari! A gente monta um bloco =)

2.6.09  
Blogger tássia disse...

aliás, todo estudante de arquitetura e urbanismo devia ir a Montevideo

2.6.09  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial












A chic é Rosana
Não usa pretinho
pra não dar pinta





Denis
coluna tranqüila
e coração ereto






Tássia
pin up e lambe-lambe
Lambe cria






Dorotéia
só escreve em italic







Paula Bolzan






Nívea Bona
Marca compasso
Vem pro abraço






Marina Victal
Mineira apresenta armas
Espada em punho








Melhores de 2008
Em 2009 eu vou...
Melhores de 2009
Em 2010 eu vou...
Melhores de 2010
Em 2011 eu vou...
Melhores de 2011
Em 2012 eu vou...
Melhores de 2012
Em 2013 eu vou...
Enviado Divino
Meu Primeiro Professor









    I Clichê


    II Clichê


    III Clichê


    IV Clichê


    V Clichê


    VI Clichê




      Assinar
      Postagens [Atom]