domingo, 26 de abril de 2009

DOROTÉIA

Da série as amigas e as histórias .... A amiga magra louca diz que o corpo dela é definitivamente ocidental. E nem adianta ELA anunciar os benefícios da acupuntura e técnicas orientais. A amiga magra louca contesta, irada, e diz que do Oriente quer distância. Estava com dor no ombro quando foi procurar o japonês indicado pelos amigos executivos que a ele recorriam para tratarem as dores musculares. E o bom era o carnê! Sim, o japinha - metro e meio de tamanho - trabalhava com um carnê indicativo do número de sessões pagas antecipadamente.
Eis que a magra louca chega na sala clean - branca, quase asséptica, com um tatame no centro, um banco alto e um biombo para troca de roupa. Ela tira o sapato, a roupa, veste e roupão e aguarda, sentada no banquinho. Parecia um risco alinhada no meio do nada. O japonês entra pela porta ao lado, vestindo uma espécie de jaleco branco e uma faixa preta na cabeça. Salta ao lado dela com um grito de saudação - Ihá! Karivána! Kakaká! Ketá!(ou algo do gênero) O susto a emudeceu. Não sabia que estava em guerra. E nem teve tempo de dizer que a dor era no ombro. Ele a pegou pela cabeça, calçou a cervical e virou o pescoço para a direita. Crack! A dor intensa foi imediatamente substituída por outro crack e outra dor maior! Dessa vez para a esquerda. Muda, porque a voz sumiu da garganta, ouviu-o perguntar se tinha muitas dívidas porque os ombros e a musculatura das costas estavam muito tensionadas e rígidas. Não conseguiu explicar que não tinha dívidas porque a voz não saía, e uma dor era imediatamente substituída por outra maior em outro lugar. Após uma massagem enérgica foi mandada para casa com a ordem de voltar no dia seguinte. Os colegas estranharam o ar perplexo dela e chegaram a sugerir que não voltasse lá. Mas tinha o carnê pago e a dor no ombro. No dia seguinte, compareceu. Trocou-se e sentou novamente no banquinho, temendo uma nova torção no pescoço. E apesar de saber o que aconteceria, o susto da ritual de saudação se repetiu - Ihá! Karivána! Kakaká! Ketá! E novamente a voz sumiu quando ele a tocou no pescoço. Mas dessa vez era para conduzi-la ao tatame, de bruços. - É o meu fim, pensou! Deitou e foi quando ouviu um novo Ketá, kaká, Pisá(ou algo do gênero). E lá estava o japinha a pisoteá-la nas costas, saltitante. Não teve voz para pará-lo e deduziu que era parte do tratamento calar o paciente. Saiu com um emplasto no ombro, deu por encerrada a terapia e sem fechar o carnê. Foi parar no ortopedista para tratar da bursite. Ainda teve que ouvir dos amigos a máxima: se era preciso pagar para levar porrada, eles faziam de graça.

Marcadores:

3 Comentários:

Blogger MEL disse...

hahaha
mto bom!!!

27.4.09  
Blogger Julio Marin disse...

Simplesmente bom... junto tudo isso... eu quero um livro dessas histórias.. hhuhuhuhu

27.4.09  
Blogger tássia disse...

doeu o meu pescoço =|

27.4.09  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial












A chic é Rosana
Não usa pretinho
pra não dar pinta





Denis
coluna tranqüila
e coração ereto






Tássia
pin up e lambe-lambe
Lambe cria






Dorotéia
só escreve em italic







Paula Bolzan






Nívea Bona
Marca compasso
Vem pro abraço






Marina Victal
Mineira apresenta armas
Espada em punho








Melhores de 2008
Em 2009 eu vou...
Melhores de 2009
Em 2010 eu vou...
Melhores de 2010
Em 2011 eu vou...
Melhores de 2011
Em 2012 eu vou...
Melhores de 2012
Em 2013 eu vou...
Enviado Divino
Meu Primeiro Professor









    I Clichê


    II Clichê


    III Clichê


    IV Clichê


    V Clichê


    VI Clichê




      Assinar
      Postagens [Atom]